O governo estadual dispensou a licitação alegando que o instituto comandando pela vereadora era a única entidade capacitada para tocar o projeto. Para um advogado ouvido pelo portal diogenesbrandao.com, o processo tem jeito, cara e cheiro de mais um "jogo de cartas marcadas".