Um jovem servidor da UEPA, formado em gestão pública e estudante de Direito enviou carta à nossa redação dizendo que no penúltimo domingo, 25, foi cruelmente torturado, preso e humilhado por policiais militares, tanto em frente à família e vizinhos, quanto no hospital, na delegacia de polícia, por policiais civis e penais, no presídio onde passou dias preso injustamente, segundo ele, apenas por ser negro. A vítima cobra as câmeras corporais que o governo do Pará disse comprou para uso dos agentes de segurança pública do estado, que poderiam ter evitado o abuso da força e da autoridade por parte dos policiais militares.